Para o Motorista

Manutenção de embreagem: saiba quando trocar as peças do seu carro

Manutenção de embreagem

A troca de marchas é algo indispensável durante a condução de um carro e uma das primeiras coisas que aprendemos ao começar a dirigir. No entanto, pouca gente se lembra de fazer a manutenção da embreagem e acaba se lamentando quando uma falha impede o veículo de rodar.

A boa notícia é que, utilizando peças de reposição de qualidade, tomando certos cuidados e fazendo as manutenções preventivas, o conjunto de embreagem é bastante durável e poucas serão as vezes que seu automóvel precisará ir para a oficina por conta dele.

Mas se você ainda não entende exatamente como esse sistema funciona e quer saber como fazer sua manutenção corretamente, continue sua leitura. Neste post, trazemos as principais informações sobre o assunto. Confira!

Como funciona a embreagem do carro?

Apesar de não parecer, o funcionamento da embreagem é simples. A lógica é fazer com que engrenagens girando em velocidades diferentes possam ser sincronizadas a fim de desengatarem e engatarem com o mínimo de impacto.

Para resolver esse problema, foi inventado um sistema localizado entre o motor e a caixa de câmbio que, em vez de usar engrenagens, é baseado no atrito entre dois “discos” para poder suavizar as mudanças de marcha.

A seguir, veja melhor como o sistema funciona:

  • o motorista acelera o carro até determinada velocidade, então, aciona o pedal da embreagem;
  • um cabo flexível — ou fluido hidráulico — movimenta um cilindro chamado de servo de embreagem;
  • o cilindro pressiona o colar de embreagem (um rolamento) contra o centro da mola diafragma;
  • a mola faz um movimento de alavanca e afasta o disco do volante do motor, fazendo-os perder contato e cortando a transmissão da rotação para a caixa de câmbio;
  • o disco para de girar e a marcha pode ser trocada, mesmo com o motor em funcionamento e o veículo andando;
  • após a troca, o pedal é aliviado aos poucos, retornando a mola à posição original e pressionando o disco contra o volante do motor;
  • a energia da combustão volta a ser transferida para a caixa de câmbio por meio do atrito do disco com o volante.

Qual é a vida útil do sistema de embreagem?

A vida útil do sistema de embreagem está intimamente ligada ao modo de condução do motorista e à realização das manutenções preventivas. Se tudo for feito dentro do ideal, o conjunto pode durar mais de 100 mil quilômetros com facilidade.

Para saber quando trocar a embreagem e quais manutenções devem ser feitas periodicamente, siga as orientações no manual do proprietário do veículo. A montadora do seu automóvel é a fonte mais precisa para não errar nos cuidados com o conjunto.

Entretanto, leve o carro a uma oficina mecânica de confiança para uma revisão detalhada no sistema se você notar um ou mais dos sinais abaixo:

  • pedal duro, que indica problemas no cabo ou sistema hidráulico de acionamento;
  • embreagem patinando, que pode ser causada por desgaste acentuado ou vazamentos de óleo;
  • ruído excessivo, que representa montagem mal feita, desgaste ou quebra de componentes;
  • trepidação geralmente causada por desgaste irregular ou afrouxamento das peças;
  • embreagem travada, via de regra, ocasionada pelo fim da vida útil dos rolamentos.

Como aumentar a durabilidade do conjunto de embreagem?

Para aumentar a vida útil do seu conjunto de embreagem, como já dissemos, siga as orientações do manual do proprietário do veículo quanto às manutenções preventivas. Além disso, tome alguns cuidados na condução para que o desgaste das peças seja o menor possível. Abaixo, acompanhe nossas dicas.

Não deixe o pé apoiado sobre o pedal

O motorista só deve deixar o pé sobre o pedal da embreagem para acioná-lo e enquanto ele não é totalmente aliviado. Depois desse processo, eles devem ser mantidos longe um do outro.

A mínima pressão sobre o pedal fará com que o cilindro fique pressionado e o disco seja levemente afastado do volante do motor. Assim, além de a mola diafragma ficar pressionada, perdendo sua flexibilidade, o desgaste no volante do motor e no revestimento de embreagem é acelerado pelo acoplamento irregular.

Em subidas, não segure o veículo apenas na embreagem

Outro hábito ruim de alguns motoristas que prejudica a durabilidade do conjunto é, em uma subida, segurar o carro sem usar o freio, fazendo o controle apenas por meio do pedal de embreagem.

Além de manter a mola pressionada e a pouca pressão entre disco e volante do motor por um tempo muito grande, essa ação requer aceleração constante, fazendo com que girem mais rápido e seu desgaste seja aumentado.

Não fique com o pedal acionado enquanto estiver parado

Ao parar no trânsito ou em um semáforo, coloque o carro em ponto morto e tire o pé da embreagem. Mantê-lo pressionado até o fundo não fará mal ao disco ou ao volante do motor. No entanto, prejudicará a vida útil da mola diafragma pois, como qualquer mola, quanto mais usada, mais ela tende a perder sua flexibilidade.

Na saída, use sempre a primeira marcha

Use sempre a primeira marcha para colocar o carro em movimento. Ao optar pela segunda marcha, o torque nas rodas é menor. Portanto, será preciso aumentar a aceleração para fazê-lo andar. Ao mesmo tempo, o acoplamento da embreagem precisará ser mais lento. Assim, como já mencionado, ao aumentar o giro do motor e diminuir a pressão entre disco e volante, o desgaste desses componentes é acelerado.

Quanto custa a manutenção de embreagem?

É difícil dizer o valor exato da manutenção de uma embreagem. Isso porque o tempo de serviço e o gasto com peças dependerá da situação do conjunto. Além disso, os preços variam muito conforme o modelo do carro e a região em que ela será feita.

Porém, uma manutenção preventiva com troca do kit de embreagem (disco e platô), rolamentos e cabo flexível, limpeza e engraxamento, normalmente, custará entre R$ 200 e R$ 400 de mão de obra, mais R$ 300 a R$ 1.000 em peças. Ainda, é preciso fazer a retífica no volante do motor (dar um “passe”) para tirar irregularidades que podem comprometer a durabilidade do disco novo.

Pode parecer caro, mas é importante ressaltar que a qualidade das peças de reposição influenciará bastante a conservação do conjunto e de outros componentes do motor e da caixa de câmbio. Isso sem falar no perigo que representa um problema na embreagem em velocidades altas ou no meio do trânsito.

Logo, o ideal é não economizar. Escolha uma oficina de confiança para fazer os serviços necessários e, devido à sua qualidade e resistência, opte sempre por peças de marcas consolidadas no mercado.

Como deu para perceber, a manutenção de embreagem é essencial para o conforto e a segurança do veículo, além da conservação do motor e da caixa de câmbio. Assim, é importante tomar cuidados com alguns hábitos que aceleram seu desgaste. Além disso, ao notar sinais de problemas, leve o automóvel a um mecânico e não economize em peças de reposição se quiser evitar dores de cabeça.

Gostou deste post? Quer outras dicas de manutenção para seu carro? Então, assine nossa newsletter e receba em seu e-mail as novidades do nosso blog!